O que define um desenvolvedor como júnior, pleno ou sênior?

Em algum momento da sua carreira você já deve ter pensado: em qual nível será que me encaixo? Será que ainda sou júnior ou já posso ser considerado pleno? Essas dúvidas costumam aparecer ainda mais na hora de elaborar um currículo ou de se candidatar para uma determinada vaga…

Neste artigo iremos abordar exatamente essa questão: quais são geralmente as diferenças entre os níveis de carreira júnior, pleno e sênior. Sim, falamos geralmente porque não existe uma regra específica, ela varia de empresa pra empresa, podendo variar de uma para outra.

Todo desenvolvedor deseja chegar ao ponto máximo de sua profissão, ser expert naquilo que faz. No caso, chegar ao nível sênior é o ápice de carreira pra muita gente. Mas o que determina um profissional sênior? Isso tem muito a ver com o tempo de experiência, mas não somente isso, pois a determinação desses níveis acabam sendo um mix de complexidade de tarefas e maturidade profissional. Sendo assim, vamos passar por cada um desses níveis para que possamos entender melhor.

Nível Júnior

Esse é o primeiro nível. Aqui o profissional pode ser um recém-formado na faculdade ou um profissional que ainda viveu pequenas experiências. Ele terá tarefas com uma complexidade menor, ou seja, tarefas mais básicas, sem tantas exigências. Além disso sempre terá algum outro profissional que irá coordená-lo, dando os direcionamentos, explicando, revisando suas tarefas, para que ele possa ir aprendendo e crescendo na sua área.
Em média, um profissional considerado nível júnior tem até 5 anos de experiência.

Nível Pleno

Aqui esse profissional já tem uma experiência mais significativa e geralmente acumula em média mais de 5 anos na mesma área, assim ele consegue tomar decisões mais estratégicas e conhece mais profissionalmente sua área de atuação. É um profissional mais confiante, porém ainda conta com um supervisor para auxiliá-lo, geralmente um profissional nível sênior. No quesito de formação, ele já é pelo menos um pós-graduado.

Nível Sênior

Esse profissional tem 10 ou mais anos de experiência e terá mais participações em reuniões importantes com coordenadores e diretorias, além de receber mais atividades que exigem mais experiência profissional. Muito provavelmente quem chega a esse nível tem mais possibilidade de se tornar um coordenador, um líder dentro da empresa, por isso é interessante a pessoa se desenvolver como profissional, aprendendo um pouco da área de gestão seja por cursos, MBA… para que consiga gerir bem uma equipe, lidar com os projetos, prazos… ou seja, para chegar a esse nível o profissional deve se preparar para esses tipos de atividades também.

Concluindo

Apesar do tempo de experiência contar bastante, você não pode ser um profissional estagnado, você deve progredir e evoluir junto com a tecnologia em que trabalha. Por isso nunca se deve abrir mão do estudo, você deve se especializar e se atualizar para ter essa progressão de carreira. E é claro, quanto maior a posição nessa escala crescente, maior a complexidade de tarefas, responsabilidades e, consequentemente, melhor será a remuneração.

Aqui vai uma observação: muitas vezes observamos essas nomenclaturas quando vamos procurar por determinadas vagas, como por exemplo “Desenvolvedor Java Pleno”. Mas vale lembrar novamente que esse nível varia de uma empresa para outra. Você não deve se prender tanto a isso, mesmo se você for um desenvolvedor Java júnior, deve se atentar também aos requisitos da vaga e ao que ela pede, o que pode ser pleno para uma empresa, pode não ser para outra. Se atente aos requisitos e se estiver apto, pode tentar sem problemas =)

Até a próxima!

Deixe seu comentário

Graduada em Gestão da Tecnologia da Informação pela FATEC Guaratinguetá.

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PROGRAMADORES