O que é XP – Extreme Programming?

Seguimos nossa série de artigos de metodologias, abordando hoje mais uma metodologia ágil: XP (Extreme Programming). Lembrando que já abordamos diversas metolodogias aqui, como Crystal, RAD, RUP, e AUP.

O XP (Extreme Programming ou Programação Extrema) é uma metodologia focada no desenvolvimento de software que possui valores e princípios, onde são fundamentados por um conjunto de práticas.

É uma metodologia leve que pode facilmente ser adotada por diferentes níveis de desenvolvedores (experientes ou não) e em qualquer tamanho de equipe. É uma excelente metodologia por se adaptar a requisitos que às vezes podem mudar rapidamente.

O XP pode ser utilizado de forma complementar ao Scrum, pois ele acaba focando mais em processos de engenharia e desenvolvimento de software.

Scrum - Planejamento e Desenvolvimento Ágeis
Curso de Scrum - Planejamento e Desenvolvimento Ágeis
CONHEÇA O CURSO

Princípios, valores e práticas

Como vimos acima, o XP possui um conjunto de princípios e valores, onde os princípios tendem a ser mais concretos que os valores. O conjunto de valores servem como um critério que norteiam as pessoas envolvidas no desenvolvimento do software, além de se complementarem. São eles: comunicação, simplicidade, feedback, coragem e respeito.

Além desses valores, existe um conjunto de princípios que deve ser seguido por equipes que forem usar XP em projetos, sendo o feedback rápido, presumir simplicidade, abraçar mudanças, trabalho de alta qualidade, pequenos passos, melhoria, diversidade, reflexão.

As práticas consistem no núcleo principal do processo. Elas evidenciam os valores que nos ajudarão a ter sucesso no projeto. São elas:

  • Cliente presente: O cliente deve participar ativamente do processo de desenvolvimento. Tudo precisa da comunicação com o cliente. Ele deve receber o melhor resultado possível a cada semana, ver o progresso no sistema, ser informado de mudanças de planos, etc. Escute, para que saiba qual é o problema a ser resolvido.

  • Planejamento: O desenvolvimento utilizando o XP é feito em iterações. Uma iteração é um período curto de tempo (1 ou 2 semanas) onde a equipe desenvolve um conjunto de funcionalidades. Sendo assim, no início da semana, desenvolvedores e clientes se reúnem para priorizar as funcionalidades. Essa reunião chama-se jogo de planejamento e nela já devem estar criadas as estórias. Se uma estória for muito grande, ela deve ser dividida em tarefas com duração máxima de alguns dias. Essas estórias devem ser escritas pelo cliente, pois assim ele consegue pensar melhor em cada funcionalidade. O planejamento é importante para que você sempre faça a coisa mais importante a ser feita.

  • Stand Up Meeting: São reuniões feitas em pé e de curta duração – mas muito produtiva, para que o time se mantenha alinhado, para saber o que cada um está fazendo exatamente, em que ponto está o projeto e se alguém está tendo problemas para executar suas tarefas. Ainda que apareça algum problema, essa reunião não tem o propósito de pensar em soluções.

  • Programação em par: É uma programação em par (dupla) em um único computador. Como é apenas um computador, o software sempre é revisto por duas pessoas diminuindo assim a possibilidade de falhas. Busca-se sempre a evolução da equipe melhorando a qualidade do código fonte. Ela é uma das práticas primordiais do XP, pois dois programadores fazendo o trabalho juntos acaba agregando muito para o trabalho em equipe.

  • Testes constantes: É utilizado o Desenvolvimento Orientado a Testes (Test Driven Development), o conhecido TDD. Primeiro crie os testes unitários e depois crie o código para que o teste funcione, essa abordagem é complexa no início, mas os testes unitários são essenciais para que a qualidade do projeto seja mantida.

  • Refatoração: É um processo que permite a melhoria contínua da programação, o mínimo de introdução de erros e mantendo compatibilidade com o código já existente. Refatorar melhora a clareza, leitura do código e facilita a manutenção. Além disso, o código fica mais coeso e você tem um melhor aproveitamento, evitando duplicação no código fonte.

XP - Extreme Programming
Curso de XP - Extreme Programming
CONHEÇA O CURSO
  • Código coletivo: Diz que o código fonte não tem dono e ninguém precisa solicitar permissão para poder modificar o mesmo. O objetivo é fazer a equipe conhecer todas as partes do sistema.

  • Padronização do código: Como todo mundo trabalha no desenvolvimento do mesmo software, a equipe de desenvolvimento precisa estabelecer regras para programar e todos devem seguir essas regras, assim parecerá que todo código fonte foi digitado pela mesma pessoa. A padronização de código também é muito importante, porque o XP preza isso, o trabalho em equipe, se uma pessoa faz de um jeito e a outra faz de outro, isso fica muito confuso e futuramente pode ter problemas na revisão deste código.

  • Design simples: Essa prática se encaixa no princípio da simplicidade e é basicamente seguir o que o usuário está pedindo, por conta disso o design do software acaba sendo mais simplista. Além disso, o software acaba ficando mais fácil de ser alterado. Com essa metodologia você consegue alterar o código quando precisar, sem comprometer a qualidade.

  • Metáfora: Procura facilitar a comunicação com o cliente, entendendo qual a realidade dele. É preciso traduzir as palavras do cliente para o significado que ele espera dentro do projeto.

  • Ritmo sustentável: Manter um ritmo de trabalho com qualidade, onde eles estejam atentos e dispostos.

  • Semana de 40 horas: É trabalhar com qualidade buscando ter um ritmo de trabalho saudável, 40h por semana, 8h por dia, sem horas extras.

  • Integração contínua: Sempre que for produzido uma nova funcionalidade você nunca deve esperar uma semana para integrar com a versão atual do sistema. Isso só aumenta a possibilidade de conflitos e possibilidade de erros no código fonte. Integrar de forma contínua permite saber o status real da programação.

  • Releases curtos: As liberações de pequenas versões funcionais do projeto auxiliam muito no processo de aceitação por parte do cliente que já pode testar uma parte do sistema. As versões chegam ainda ser menores que as produzidas em outras metodologias incrementais, como o RUP. Os releases são pequenos pedaços do produto que são entregues ao cliente antes do tempo, assim o cliente não precisa esperar o produto todo ficar pronto para ver.

Considerações finais

Como pudemos ver o XP é dinâmico e flexível, nos ajudando a ter rapidez, qualidade e flexibilidade no desenvolvimento de um software. Se você quer conhecer ainda mais a fundo e principalmente ver o XP funcionando na prática, confira nosso curso de Extreme Programming.

Deixe seu comentário

Responsável pelo sucesso do cliente na TreinaWeb. Graduada em Gestão de Tecnologia da Informação pela FATEC Guaratinguetá, além de estudante de UX/UI.

© 2004 - 2019 TreinaWeb Tecnologia LTDA - CNPJ: 06.156.637/0001-58 Av. Paulista, 1765, Conj 71 e 72 - Bela Vista - São Paulo - SP - 01311-200