Marketing

Copywriting: A arte de escrever textos persuasivos que conquistam clientes

“Nunca antes na história deste país”, eu trouxe um assunto aqui para o portal que eu gosto tanto. Hoje vamos falar sobre: Copywriting, ou apenas Copy (um apelido fofo para copywriting).

Copywriting, nada mais é do que uma série de técnicas para escrever textos/diálogos persuasivos, textos que incentivam as pessoas a tomarem atitudes, de um modo geral, incentivanto a atitudes de impulso.

Só pra lembrar que este artigo, faz parte de uma série fabulosa, chamada: “Como atrair, precificar e fechar clientes”. Este é o 4º artigo, se você perdeu os outros três, eles estão logo abaixo:

Como Conseguir Clientes e Trabalhos Como Desenvolvedor Freelancer
Como Diferenciar-se no Mercado e Atrair Clientes: Nicho vs. Especialidade
Como Ser Um Desenvolvedor Amado Pelos Clientes: Emocional Vs. Racional

Bem, esse artigo é, principalmente, uma continuidade do assunto do artigo passado…

Mas Quem é Este tal de Copywriting?

Uma tradução não literal de copy é: escrita persuasiva. Como um resumão, eu diria que COPY é um conteúdo (texto ou fala) com foco na conversão (venda, convencimento, pedido de desculpas, pedido de casamento, pedido de desconto…). Conteúdo com foco na conversão. E uma copy, em 90% das vezes, fala diretamente com o Don Juan (referência do artigo passado), usando-se de técnicas de escrita e gatilhos mentais para influenciar a decisão do leitor ou ouvinte.

As técnicas de copywriting podem ser usadas em conteúdos para blogs e redes sociais, textos de venda, sites de portfólio, reuniões de orçamento, fechamento de vendas… enfim, em todo o processo de conquista e conversão de clientes.

Mas, nessa estratégia de marketing que estou ensinando pra vocês, usaremos em nossos conteúdos das redes sociais, anúncios e páginas de venda.

Dor vs. Prazer

No Neuromarketing, a gente estuda que todas as pessoas tendem a FUGIR DA DOR ou BUSCAR O PRAZER, em outras palavras, fugir/resolver seus problemas ou ir atrás daquilo que faz bem ou melhore algo.

E neste contexto, percebemos que estas duas sentenças nos move desde a hora em que acordamos, até o momento em que pegamos no sono. Cada ação nossa é movida por uma destas opções.

Percebendo isso, o princípio básico de toda a Copy é trabalhar em uma destas ações. Ao invés de focar no objeto da discussão, você deve focar no problema ou nos benefícios. Vou te dar um exemplo prático.

Imagine um vendedor de projetos de segurança. E um dono de uma determinada loja chama este vendedor pra fazer uma visita. O vendedor chega até o empresário e diz:

VENDEDOR COMUM: “O orçamento ficou R$ 1.150,00. Sua loja terá 7 câmeras com infravermelho, 8 sensores de alarme de última geração e um kit de fechaduras extras para a porta da frente. Além disso, um sensor de entrada também será instalado. É um sistema completo de segurança, ultra moderno, o mais barato do mercado.”

VENDEDOR QUE MANJA DE COPY: “A sua loja está muito perigosa sr. Anibal, é alvo fácil para qualquer ladrão que prestar um pouquinho de atenção. Precisamos tomar medidas urgentes. Veja que a sua fechadura de entrada é extremamente fácil de ser arrombada e o senhor pode perder tudo o que tem. Pra resolver isso logo, eu montei um sistema completo de segurança, o senhor poderá acompanhar as imagens da sua loja, áreas internas e externas, no seu smartphone. Além disso, se qualquer um que tentar entrar aqui a noite, o alarme soará estrondosamente e chamará a equipe de emergência imediatamente.”

Percebe a diferença? Neste segundo texto, o vendedor para de focar nos produtos e suas especificações e passa a focar na resolução da dor do lojista. Exatamente como a venda de software, que ensinei no artigo anterior. E com essa copy você gera valor para o cliente, depois disso o preço é o que menos importa para o cliente.

As 6 técnicas do Copywriting

São 6 técnicas efetivas de copy. Você sempre terá que ter no mínimo uma delas nos seus conteúdos, mas o ideal é sempre combinar 2 ou 3 delas.

1 – Imediatismo/urgência:

Uma das piores sensações para o ser humano é a impossibilidade de escolher. Como odiamos nos sentir impotentes, agimos o mais rápido possível. Isto porque quando algo demanda urgência, não pensamos muito, apenas agimos no ato inconsciente de nos resguardarmos de um perigo iminente. Seu principal objetivo é capturar a atenção das pessoas, aguçando sua curiosidade e lembrando que uma atitude rápida é necessária para não ficar para trás.

Palavras que causam urgência: Descubra, Agora, Hoje, O Segredo, A Verdade, Ninguém nunca contou, Revelado, Neste Exato Momento, A Partir de Agora, Último dia, Últimas vagas.

2 – Conexão:

Outro objetivo de uma Copy, seja ela em texto ou vídeo, é aproximar você e o visitante, fazendo com que ele se sinta capaz de alcançar determinado objetivo. Dica: Deixar a sensação de “se eu consegui, você também conseguirá”. Ou: Se meus clientes conseguiram, você também consegue. Ou: Se estas marcas conseguiram, você também consegue.

Técnicas que causam conexão: storytelling e Começar os textos com uma pergunta, ex.: Você tem dificuldade em vender com o seu E-commerce hoje?

Fale o nome da pessoa, para as pessoas, o próprio nome é a palavra mais bonita que existe. E use sempre “você”, para não parecer generalista.

3 – Especificidade:

Seu principal objetivo é transformar sua chamada em algo específico, seja por definir um prazo ou a quantidade de passos para alcançar um determinado objetivo. Você pode explicar o passo a passo do seu processo de desenvolvimento, ou de como o seu software resolve o problema do cliente. Você pode falar sobre as “10 fases que usamos pra tornar o seu aplicativo inesquecível”.

4 – Transformação:

O que o seu produto, serviço ou conteúdo tem a oferecer de tão bom que irá causar uma verdadeira transformação na vida do usuário que chega até sua página? Seu cliente precisa desejar ter aquele resultado mais que tudo. Em praticamente todo o texto de conversão, você vai precisar pontuar qual é a transformação, o grande benefício, da pessoa fechar negócio com você.

5 – Chamada para ação (call-to-action ou CTA’s):

O que exatamente você quer que seu visitante/ouvinte/expectador faça? Deixe isso muito claro para ele. Nós não só gostamos, como precisamos ser chamados para realizar uma ação.

Conheça os termos mais utilizados (e eficientes) que podem ser aplicados também nas suas próprias CTA´s: Cadastre-se Agora; Clique Aqui;
– Clique e Cadastre-se;
– Clique Para Continuar;
– Veja o Vídeo Agora;
– Comece Agora;
– Cadastre-se e Descubra;
– Quero Ver Agora;
– Quero Receber o Vídeo;
– Cadastre-se e Comece Hoje;
– Acesse Agora;
– Cadastre-se Para Continuar.

6 – Exclusividade:

Você realmente acredita que o produto ou serviço que está oferecendo para sua audiência tem uma qualidade superior ou alguma característica que dificilmente será encontrada no mercado? Então, deixe isso muito claro na sua Copywriting.

Ele precisa entender que se não fizer a conversão, poderá estar desperdiçando a oportunidade de ter algo exclusivo. A técnica mais poderosa de copywriting, é onde você mostra o seu diferencial.

Na Prática

Separei dois comerciais que usam as técnicas acima e conversam 100% com o Don Juan. O primeiro exemplo é um comercial da “Honda Consórcios”

Repare que o comercial não foca nas parcelas, lances, valores, meses… nada! O comercial foca nos SONHOS, nos prazeres das pessoas e que pra conquistá-los eles precisam do suporte da Honda. Técnica da: Transformação! E no final, o comercial ainda faz uma Chamada Para Ação, convidando pra acessar o site e fechar um consórcio.

O banco Santander é uma das empresas que eu conheço que mais utilizam a técnica da CONEXÃO, até o slogan deles é: “O que a gente pode fazer por você hoje?”, uma pergunta de conexão.

Neste comercial do Santander, eles utilizam vários Gatilhos Mentais, que são recursos de neuromarketing utilizados nas melhores COPYs. Eles dispertam desejos no nosso cérebro. E este será o assunto do nosso próximo artigo: Os Gatilhos Mentais Que Envolvem Clientes. Até lá!

Como Ser um Desenvolvedor Amado Pelos Clientes: Emocional vs. Racional

Hoje vamos falar sobre como despertar o desejo no seu cliente, comunicando com o lado emocional do cérebro dele. Vou te mostrar na teoria e na prática, como tornar o seu negócio irresistível para seus clientes. Só para lembrar, que este artigo é parte de uma série chamada: “Como atrair, precificar e fechar clientes”. Este é o 3º artigo, se você perdeu os outros dois, eles estão logo abaixo:

Como Conseguir Clientes e Trabalhos Como Desenvolvedor Freelancer
Como Diferenciar-se no Mercado e Atrair Clientes: Nicho vs. Especialidade

Você já deve saber que nosso cérebro tem dois lados: o racional (lógico) e o emocional (criativo).

Para este artigo, vamos dar nomes sugestivos a estes hemisférios do nosso cérebro: Bhaskara (lado racional) e Don Juan (lado emocional).

O Bhaskara (racional e lógico)

O Bhaskara é o CDF da turma, sistemático, aquele que quer fazer tudo certinho. Ele sabe todas as regras, analisa tudo friamente e sempre tem uma resposta na ponta da língua. E, de fato, na maioria das vezes ele está certo. Mas é chato, sem sal e as pessoas correm só de ouvir seu nome. É de irritar.

O Don Juan (emocional e criativo)

O Don Juan, por sua vez, é um galanteador, um romântico irremediável. Ele prefere viver o momento, não se preocupa com o amanhã, nem mesmo com sua conta bancária. Ele é engraçado, divertido e 100% social. Sabe sempre falar a coisa certa, na hora certa que você quer ouvir. Ele é apaixonante, mas pode ser perigoso, pois só pensa no momento atual, não pensa no futuro e é extremamente irresponsável.

Bem, você tem os dois dentro de você, lutando para influenciar suas decisões. O pulo do gato é: seu cliente também tem.

Converse com o Don Juan

Noto que 80% das empresas que tentam vender somente para o Bhaskara. Explicam por A + B porque seu produto tem mais qualidade. Falam das características, do tamanho, do preço. Elas tentam CONVENCER o Bhaskara a comprar a todo o custo.

Agora, as marcas bilionárias (com B), líderes de mercado, dificilmente fazem isso. Elas apelam para o lado emocional, para o lado sedutor do Don Juan. Ao invés de características, elas falam de benefícios, de sonhos, de resolução de problemas… falam de coisas intangíveis. E isso te faz QUERER, te faz DESEJAR o produto. Vê a diferença?

Lembre-se: o Don Juan não faz contas, não confere o limite do cartão de crédito… logo, quando você começa a focar o seu marketing para ele, e não para o Bhaskara, aí sim você começa a jogar de verdade no jogo do marketing.

DESEJO é o que move os melhores clientes. Os que pagam mais caro, são mais gratos, indicam para amigos e divulgam seu negócio. Quem faz isso, o faz por estar apaixonado, não por ter sido convencido.

É um pouco do que a Polishop faz, se você parar para assistir os seus comerciais, vai perceber que eles não focam nas características dos seus produtos, quantos watts tem, altura, quantos litros… enfim. Eles focam nos ENORMES benefícios que o produto causa. Quais os problemas seu produto resolve. Em 5 minutos, eles convencem o Don Juan, dentro de você, que ele precisa urgentemente daquele liquidificador de “mil e uma” utilidades e benefícios. Sem você nem parar pra pensar qual foi a última vez que fez um suco natural.

Quando você consegue mostrar elementos emocionais na hora de divulgar os seus serviços, você ativa o Don Juan (emocional) do cérebro dos seus clientes. E esse cara é MUITO mais poderoso na hora de influenciar na decisão do cliente.

  • Sabe quando você tá cheio de freela pra fazer, mas fica procrastinando?
  • Quando tem que fazer a dieta, mas abre mais uma exceção só pra hoje?
  • Quando vê que a pessoa está com feijão no dente, mas fica com vergonha de falar?

É o Don Juan, convencendo você a fazer o que você QUER e não o que você DEVERIA fazer.

Agora na Prática

Bem, agora que você já sabe disso, sabe onde vamos utilizar essa informação? No seu conteúdo, nas suas redes sociais, na divulgação do seu serviço ou produto, na reunião de orçamento, na apresentação do projeto… enfim, acho que em tudo. 🙂

Vamos ver um exemplo? Digamos que você tenha desenvolvido um software que faz controle de caixa.

A grande maioria das empresas venderia para o Bhaskara, desta forma:

“Conheça nosso software de controle de caixa, um sistema completo de fluxo de caixa, controle de vendas, relatórios diários, gerador de nota fiscal e controle de estoque. Tudo automatizado e 100% na nuvem. Ele é fácil de usar e fazemos toda a instalação e configuração inicial. Temos o melhor custo benefício do mercado.”

Mazomenos, né? Bem fraquinho, na verdade. Você sentiu alguma coisa?

Agora, para vender para o Don Juan, vamos ter que mudar a abordagem. Olha como eu faria:

“Quantas horas do dia você fica em cima de papéis, contabilidade ou controle de estoque? Putz, apareceu um furo no estoque esta semana né? Olha, quero dizer que o seu tempo vale ouro. Tenho certeza que foram anos estudando, trabalhando, acordando cedo, dando duro pra construir o seu negócio. E nós valorizamos isso. Criamos um software que representa a sua conquista. Ele te proporciona tempo para concentrar-se naquilo que você faz melhor, que é vender e escalar os seus negócios. Deixe o resto do trabalho duro com a gente. A burocracia das vendas, o controle do caixa, o estoque… tudo isso nosso software resolve pra você. Mais do que organização, proteção e agilidade, nosso software é uma medalha de honra para o seu esforço.”

Sacou? Sentiu a diferença?

Um dos jeitos mais poderosos de se diferenciar é você aprender a falar com o Don Juan. Pouca gente fala a língua dele, mas quem consegue… ganha fãs e defensores da marca, para sempre.

Para ajudar você, no próximo artigo, vamos falar sobre “Copywriting: A arte de escrever textos persuasivos que conquistam clientes” (É meu assunto favorito). Até lá! E não esquece de deixar um comentário gentil aqui abaixo heim.

Como Diferenciar-se no Mercado e Atrair Clientes: Nicho vs. Especialidade

Hoje vamos falar sobre um assunto que sou apaixonado, que é “Marketing de Diferenciação”! Porque algumas marcas conseguem cobrar muito mais caro por um produto ou serviço, e mesmo assim tem uma legião de fãs e compradores fanáticos. Ah, e como você já deve estar ligado, este é o 2º artigo da série sobre “Como atrair, precificar e fechar clientes”. E se você perdeu o primeiro artigo, Como Conseguir Clientes e Trabalhos Como Desenvolvedor Freelancer, leia ele primeiro e depois continue lendo este.

As estratégias de diferenciação de uma marca são as responsáveis, como exemplo, por pagarmos 300% mais caro em um café no Starbucks, por encher as lojas da apple quando um novo iphone é lançado, por você comprar uma camiseta da Nike sem nem se importar qual o tipo do material ou ainda defender uma marca com unhas e dentes quando alguém fala mal dela. Essas marcas despertam desejo nos seus clientes.

Quando você consegue se “diferenciar” dos concorrentes, você se torna uma marca única, você para de receber comparações com outras. Você, literalmente, se descola dos outros desenvolvedores ou empresas de desenvolvimento do mercado.

E existem inúmeras estratégias pra você atrair clientes que fechem o desenvolvimento de um software contigo, independente do preço que você cobra. Estes clientes vão fechar contigo pelo “valor” que a sua marca passa, pela sua autoridade e resultado que você oferece.

Bora Criar uma Vaca Roxa?

Vaca Roxa é um termo comum no marketing de diferenciação, foi criado por Seth Godin no seu livro “Purple Cow”. A vaca roxa nada mais é do que o fator diferencial do seu negócio. A sua proposta de valor única. Afinal, você nunca viu uma vaca roxa por aí, não é mesmo?

A Vaca Roxa pode ser aplicada em várias áreas, assim como diferentes nichos. Ela é extremamente importante porque é como as pessoas irão lembrar do seu trabalho, da sua empresa, do seu site, portanto precisa ser diferente de tudo que há por aí.

Nesta série, serão dois artigos sobre Diferenciação, hoje eu vou falar sobre nicho vs. Especialidade e no próximo artigo falarei sobre Emocional vs. Racional.

Foco estratégico é o 1º quesito da sua diferenciação

Se você quer empreender na área do desenvolvimento, em um primeiro momento é muito interessante você focar o seu negócio, para gerar esta diferenciação.

Existem dois tipos de focos: Especialidade e Nicho. E é interessante pensar bem o seu plano de negócios, como que você vai trabalhar na internet, antes de sair por aí, atirando pedra a esmo.

NICHO

Nichos de mercado são áreas específicas em que seus clientes atuam. LEMBRE-SE QUE: a esmagadora maioria dos desenvolvedores e empresas de desenvolvimento, trabalham sem foco comercial, sem foco no marketing digital, o que aparecer está bom.

Logo, se você nichar o seu negócio, a chance é que você será um profissional diferenciado. sobre você escolher apenas um nicho pra trabalhar, focar seu conteúdo, focar todas as suas forças neste nicho…

Quando a gente abre um negócio, sempre temos a ideia de que quanto mais pessoas eu conseguir chegar, mais vendas eu vou fazer. Mas, no mundo real, não funciona bem assim. Por mais que pareça lógico, tentar atingir todo o tipo de pessoa pode ser um baita tiro no pé.

O nicho é muito interessante porque ele gera autoridade pra você no mercado e cria “referral”, ou marketing de referência, o famoso “boca a boca”. Por exemplo, digamos que você escolha um nicho de Startups para trabalhar, fazendo desenvolvimento de sites e aplicativos, quando você começa a fazer bons trabalhos dentro de um nicho, naturalmente seus clientes, vão te indicar para os colegas.

E rapidamente, com a ajuda das redes sociais, marketing digital e o “boca a boca” você se torna referência na área. A ideia é focar todas as suas ações de marketing para aquele nicho, suas redes sociais, sua comunicação e seu posicionamento… tudo isso indicará que você é especialista na área de atuação do seu cliente.

Quando você é o cara em algum nicho, a concorrência é zero. Porque se uma startup precisar desenvolver seu aplicativo, ela provavelmente dará preferência para desenvolver com alguém que já é especialista nisso.

E é muito mais fácil você fechar negócio, quando você é especialista. O cliente sabe que está colocando o projeto da vida dele nas mãos certas. Passa muito mais confiança e credibilidade.

Como escolher um bom nicho??

  • Escolha nichos que há demanda para o seu serviço;
  • Se você identificar que o nicho já tem algum grande player trabalhando, saiba que este é certamente um bom nicho pra você entrar;
  • Escolha um nicho que você goste;
  • Pesquise se existe dinheiro nesse nicho;
  • Pesquise se este é um nicho com longevidade;
  • Escolha um nicho que tenha “novos negócios” a todo o momento;
  • O mais básico: Nichos que precisem dos seus serviços ou produtos;

É importante dizer que a escolha do nicho, aqui, trata-se de posicionamento. Os tipos de conteúdo que você vai criar, os assuntos que você vai abordar, onde você vai focar as suas ações de marketing digital. Mas, é claro que vão aparecer clientes de outros nichos, sempre… e não quer dizer que você não vai pegar estes clientes. E óbvio que você vai atender normalmente.

Especialidade

Qual a sua especialidade? Quais as áreas e linguagens de programação que você é melhor?? Escolha uma área pra focar: Front-end, back-end, aplicativos, site, sistemas, ou um “produto” seu (falaremos mais disso em outro artigo).

Escolher uma especialidade gera autoridade, ajuda a tornar a concorrência irrelevante: aumenta MUITO as chances de fechar negócio quando o cliente está com outros orçamentos em mãos. E o pulo do gato: Abre mais o leque com relação ao nicho.

Nicho vs. Especialidade

A ideia de todo este artigo é você diferenciar-se por nicho ou especialidade. Mas, essas são variáveis inversamente proporcionais. Ou seja, quanto mais específico for o seu nicho, mais variedades de serviços você poderá oferecer. E quanto mais amplo for o seu nicho, menos variedades de serviço você poderá oferecer.

Por exemplo, vou trabalhar com o nicho empreendedores digitais. Este é um nicho super amplo, engloba e-commerces, startups, a galera que vende cursos online, blogueiros, influencers e tantos outros. Neste caso, o interessante é você focar em um produto ou serviço específico (ou poucos). Para você usar como objeto de diferenciação a sua especialidade.

Agora se você focar bem o nicho, como pequenos e-commerces, você consegue ampliar a sua gama de serviços e produtos pra oferecer.

Pense que isso é essencial pra você não ser só mais um desenvolvedor freela no mercado. Estamos trabalhando a sua marca, pra que você seja O Cara!

Este é o segundo artigo da série “Como Conseguir Clientes e Trabalhos Como Desenvolvedor Freelancer”, espero que esteja gostando. E se está, deixe um comentário gentil aqui abaixo.

Continue lendo a série no próximo post: Como Ser um Desenvolvedor Amado pelos clientes: Emocional vs. Racional.

O que são Advergames? Conheça a união de jogos e marketing

Olá Web Developers!
O mercado de jogos está crescendo cada vez mais. Então, que tal aproveitar esse mercado como meio de publicidade de uma marca?

Advergames não são simples propagandas dentro de um jogo, vão além disso. Vamos ver como funcionam.

O que é Advergame?

Este termo vem de “Advertise” (propaganda) + “Game” (jogo). É um jogo desenvolvido especialmente para divulgar alguma marca, evento, produto, ideia, serviço, etc.

Então, não estamos falando daqueles banners ou vídeos que são exibidos em jogos gratuitos que baixamos em smartphones e tablets.

Vantagem de um Advergame

Quantas vezes você já quis pular as propagandas que aparecem no YouTube?
Ou então quando você está em um site e vê uma propaganda em um banner, normalmente nossos olhos focam para o outro lado.

Já em um Advergame, o jogador está imerso naquele ambiente. E diferente de comerciais e propagandas, dentro de um jogo podemos criar vários tipos de interatividade com nosso público alvo.

O tempo médio que uma marca consegue ficar exposta em um Advergame é entre 5 e 30 minutos. Muito mais tempo do que passamos assistindo comerciais ou olhando para uma propaganda numa revista, não é mesmo?

E um estudo que a NeoEdge Networks realizou indicou que anúncios em jogos são mais eficazes do que os presentes na TV.

É dito que as pessoas lembram de “10% do que leem, 20% do que ouvem, 30% do que veem, e 50% do que vêem e ouvem, 70% do que falam e 90% do que fazem e falam”.
Jogar é “fazer”, é interagir. Por isso que jogos marcam mais as pessoas, seja para entretenimento, aprendizado ou propaganda.

Tipos de Advergames

Há vários tipos de Advergames que se diferenciam no nível de interatividade com o jogador.

No Associativo a interação com o jogador é baixa, mas é a mais barata.
Não é um jogo que foi feito pensando na publicidade desta marca. Ela aparece como em uma placa ou estabelecimento dentro do jogo, como se fosse uma simples propaganda.

Um bom exemplo é o jogo Need For Speed Underground 2, onde encontramos vários Burger Kings.

No Ilustrativo a marca além de aparecer também interage com o jogador. Um exemplo é em um jogo você estar com pouca vida e poder entrar em um MacDonald’s para se recuperar.

O Demonstrativo é o mais caro, mas o mais interativo.
A marca está presente o tempo todo.
Aqui, o jogo inteiro foi desenvolvido apenas para promover uma marca.

Um exemplo é o jogo Pepsiman, lançado em 1999 para PlayStation 1. Neste jogo você deve coletar latinhas de Pepsi. Veja na imagem abaixo que a Pepsi está muito presente o tempo todo no jogo.

Até a próxima!

Por que devo investir no Marketing Digital?

Sabemos que hoje, uma empresa estar inserida no mundo virtual é fundamental para que ela possa ter visibilidade e se tornar uma referência em seu ramo. Marcar presença na internet hoje é crucial para que uma empresa seja reconhecida. Além disso, devemos fazer o melhor uso possível das ações de Marketing Digital para diminuir a distância (literalmente) entre a empresa e o consumidor.

Por isso, vamos abordar nesse artigo o por que as empresas devem investir em Marketing Digital nos dias de hoje e os benefícios que isso trará.

Marketing Digital

Antes de qualquer coisa, precisamos saber o que vem a ser o Marketing Digital.

O Marketing Digital é um conjunto de estratégias utilizadas para alcançar os consumidores por meio de canais online e assim promover sua marca e produtos. Além das empresas reforçarem sua marca e aumentarem suas oportunidades de negócio, é uma ótima maneira de manter um bom relacionamento com o consumidor.

Dentro do Marketing Digital inclui diversas frentes de atuação como SEO, Marketing de conteúdo, e-mail marketing, inbound, redes sociais, Otimização de Conversão (CRO), Marketing de Busca (SEM), entre outros.

Outro ponto interessante é que o Marketing Digital pode ser utilizado por qualquer tipo de empresa independente de seu tamanho, pois ele é muito acessível. Além disso, você pode analisar os resultados e observar a efetividade das ações e assim calcular o retorno.

Ao utilizar as ações de Marketing Digital, queremos extrair o máximo delas para fazer proveito dos benefícios. Mas quais seriam esses benefícios? Veremos no tópico a seguir.

Importância do Marketing Digital

Hoje o Marketing Digital é – e deve ser – uma prioridade para as empresas como já vemos em muitas atualmente. A interatividade com o público é algo que estamos vendo muito por aí. Com certeza você já viu uma grande empresa que sempre está interagindo com seus consumidores pelas redes sociais, seja pelo o uso de chat, respondendo os comentários, postando conteúdo. É muito importante que a experiência do usuário seja a melhor possível, antes, durante e depois do processo de compra.

Com a utilização do Marketing Digital você irá alcançar um número muito grande de pessoas, o que é ótimo. Mas aí entra mais uma das vantagens que é o direcionamento. Com ele, você pode direcionar suas ações para atrair e conquistar pessoas que realmente tem o perfil de consumidor da sua empresa. Além disso, você pode conhecer melhor o seu público e fazer ações diretamente para eles.

Depois que você utilizar as ações de Marketing Digital, temos uma etapa fundamental para termos a melhoria contínua: a obtenção e análise de dados.

Como colocar isso em prática?

Bom, agora que vimos apenas algumas (são muitas!) das vantagens que o Marketing Digital pode nos trazer, precisamos saber como podemos chegar nesses resultados. Aliás, eles não vão vir sozinhos se não fizermos nada, rs.

Atualmente temos diversas estratégias, onde uma acaba ajudando a outra. Vamos listar algumas rapidamente. Depois você pode pesquisar sobre cada um mais a fundo e explorar os outros também.

Inbound Marketing

É uma estratégia onde seu objetivo é ser encontrado pelas pessoas, ou seja, é um marketing de atração. Assim, suas publicações passam a ser buscadas por cada vez mais pessoas, isso quando é praticado continuamente. Mas, para suas publicações serem mais buscadas, você deve criar um conteúdo relevante, o que damos o nome de Marketing de Conteúdo.

Marketing de Conteúdo

Nesse processo você deve publicar materiais realmente relevantes, a fim de atrair, converter e ganhar clientes. Esses materiais podem ser divulgados em blogs e sites (tanto da empresa como também de parceiros) e também nas redes sociais.

E-mail Marketing

Esse é um processo de envio de e-mails com algum propósito para um grupo de contatos específico. Esses contatos são frutos de uma inscrição em uma newsletter ou até mesmo pelo cadastro que a pessoa fez na empresa/loja. Essa interação com e-mails é um canal direto com o consumidor e nele você pode informá-los de uma novidade em primeira mão, descontos exclusivos ou até mesmo um conteúdo rico, onde somente quem faz parte dos contatos terá acesso. Aqui o consumidor tem que ver vantagem em continuar inscrito e recebendo seus e-mails.

Otimização de Conversão – CRO

Aqui temos o processo de trazer o público para sua base de contatos e convertê-los em clientes, fazendo com que eles cheguem até o final do processo, o que chamamos de funil de vendas. Neste processo além dessa conversão, precisamos nos atentar onde as conversões não estão sendo aproveitadas, ou até mesmo dando erradas.

Por exemplo, se um cliente se inscreve na sua newsletter, clica em um e-mail onde é oferecido um super desconto, fica um bom tempo navegando pelo site e até coloca alguns produtos no carrinho e… para por aí. Neste cenário, precisamos entender o motivo da desistência no carrinho de compras. Será que o frete ficou caro? Será que a pessoa está com medo de colocar os dados de seu cartão de crédito? Podem ser tantas razões e elas precisam ser investigadas.

Concluindo…

Aqui vimos apenas algumas das estratégias que podemos utilizar para chegar nos tão sonhados resultados. O mundo hoje gira em torno da internet e devemos aproveitar o máximo as oportunidades que ela nos dá. Por isso o Marketing Digital está e vai ficar cada vez mais em alta durante muito tempo.

Aqui na TreinaWeb temos um curso inicial de Marketing Digital, além de outros específicos como SEO, Facebook e Analytics, para que assim você consiga alavancar mais ainda seus negócios.

Conheça os principais termos e siglas do marketing digital

A mídia digital é uma fonte crescente de entretenimento e interação. Por isso, o marketing digital já foi definido como o futuro do marketing tradicional, devido aos métodos de comunicação digitais serem mais rápidos, versáteis e práticos.

A internet faz parte do dia a dia de seus consumidores e você deve acompanhá-los. Eles podem ver desde o que você diz sobre sua marca, mas também o que a mídia e amigos também falam. E é comum os consumidores darem mais credibilidade no que as pessoas falam de uma empresa do que a empresa fala sobre si própria.

Muitas pessoas costumam pesquisar na internet opiniões de outrem antes de comprar um determinado produto, seja para saber da sua qualidade, se realmente compensa, se a empresa é confiável, se entregam no tempo estimado.

Hoje em dia, o marketing digital é um dos melhores investimentos que uma empresa pode fazer. Com ele, você pode conhecer bem seu público para se comunicar com ele da melhor maneira possível, podendo envolver seus consumidores, utilizando desde e-mails a mídias sociais. Você também pode analisar os resultados de uma ação feita com o marketing digital.

Um marketing digital bem planejado e executado se torna essencial. Com ele você consegue ganhar mais reconhecimento, visibilidade e aumentar sua presença na internet.

Se você é iniciante e quer trabalhar na área ou é empresário e deseja levar isso para sua empresa, saiba que não é tão difícil assim. Para te ajudar, separamos alguns termos e siglas que você deve conhecer para começar nessa área.

Vamos lá?

Alcance: quantidade de pessoas que visualizaram um post ou campanha que você veiculou.

Alcance orgânico: quantidade de pessoas que visualizaram um conteúdo naturalmente, sem que houvesse nenhum investimento pago para isso.

Alcance pago: quantidade de pessoas que visualizaram um conteúdo, mas que houve um investimento pago.

Application Programming Interface (API): grupo de padrões onde é possível integral facilmente softwares, aplicativos e outras plataformas web.

Banner: elemento gráfico de publicidade, podendo ser uma imagem ou vídeo, geralmente fica no topo das lojas virtuais para atrair a atenção do consumidor.

Black Hat SEO: estratégias que utilizam trapaças para enganar ferramentas e posicionar seus sites no topo dos resultados.

CAC (Custo de Aquisição por Cliente): investimento médio em esforços para conquistar um cliente, considerando os investimentos e número de clientes adquiridos no mesmo período.

Conversão: retorno do investimento quando o consumidor adquiri um produto/serviço ou realiza alguma ação desejada pela empresa, como a solicitação de um orçamento ou até a inscrição em uma newsletter.

CPC (Custo por Clique): custo que você só pagará quando o seu anúncio receber um clique do usuário. É muito utilizado em campanhas de links patrocinados, cujo objetivo é fazer com que o consumidor clique em uma publicidade e vá para o site do anunciante.

Engajamento: é o envolvimento e interação que o usuário tem com sua marca, como comentários, curtidas, reações e compartilhamentos.

Inbound Marketing: voltado ao ambiente criado pela internet, onde por meio de algumas técnicas, os clientes cheguem até sua marca através de publicação em blogs, redes sociais, vídeos, etc.

Landing Page: página destinada à um tipo de conversão, sobretudo à criação de leads.

Lead: potencial consumidor que demonstrou interesse em consumir seu produto/serviço por meio de um cadastro.

Link patrocinado: publicidade dos buscadores, como o Google, que permite que as marcas criem anúncios relacionados à pesquisa de um usuário, a fim de atrair novos clientes.

Outbound marketing: marketing mais tradicional, em que a marca vai atrás do cliente ativamente e tenta convencê-lo a comprar.

Opt-in: é a autorização dada pelo consumidor, para receber e-mails de conteúdo de uma determinada empresa.

Palavra-chave: principal instrumento de uma pesquisa. Pode ser usada para classificar o seu anúncio ou para segmentar uma publicidade, por exemplo.

Page rank: métrica utilizada pela Google dentro do seu algoritmo para entender a importância de um site, a fim de avaliar e ranquear os sites nas páginas, indo do resultado da mais relevante para a menos relevante.

Page-view: número de visualizações de uma página na internet.

Persona: perfil criado que representa o cliente ideal, compreendendo melhor seu cliente e o que ele precisa. Além de guiar as estratégias de marketing e vendas.

Publieditorial: conteúdo patrocinado por uma empresa e publicado em um canal de conteúdo, como um blog ou portal.

ROI (Return on Investiment): retorno sobre o investimento feito em uma campanha. Primeiro deve-se subtrair o custo da campanha pela receita gerada e, depois, dividir o total pelo custo. Na sequência, multiplica-se o resultado por 100.

Segmentação: ato de separar os consumidores em diferentes grupos conforme suas necessidades, preferências, características, etc… a fim de garantir que campanhas de marketing sejam sempre direcionadas para as personas certas.

Search Engine Marketing (SEM): estratégias de marketing digital que tem como objetivo colocar em destaque suas páginas na resposta de grandes buscadores, como o Google.

Search Engine Optimization (SEO): conjunto de técnicas de otimização que um site pode adotar para se posicionar melhor nos resultados dos buscadores de forma orgânica.

SERP: página de resultados que aparece para o usuário assim que ele procura por determinado assunto.

Taxa de abertura: quantidade de pessoas que abriram seu e-mail, dividida pelo número de pessoas que o receberam.

Taxa de clique (CTR): quantidade de cliques nos links dentro das campanhas de e-mail marketing ou redes sociais.

Visitante: pessoa que fez uma visita ao seu site, blog ou e-commerce.

Visita: número de vezes em que alguém acessou seu site, blog ou e-commerce.

White hat SEO: táticas para posicionar melhor seu site no Google que são recomendadas pelo buscador.

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PROGRAMADORES