Você sabe o que é Arquitetura Orientada a Serviços (SOA)?

Quando estamos lidando com aplicações a nível empresarial, é muito comum ouvirmos sobre uns tais de Serviços SOA. É comum até mesmo ouvirmos os termos “barramento SOA” ou “fachada SOA”. E tudo isso dentro do que geralmente chamam de “arquitetura SOA”. Mas, o que é tudo isso? Será que estamos falando simplesmente de web services?

Afinal, o que realmente vem a ser SOA?

Uma solução fundamentada em SOA geralmente possui uma arquitetura baseada em padrões para a criação de uma infraestrutura de TI, visando simplificar as relações entre sistemas distintos, aperfeiçoando seu funcionamento e facilitando a incorporação de novos elementos. Sendo assim, caso haja mudanças nas necessidades do negócio, estes fatores permitem que a empresa responda a isso de forma rápida.

Essa exposição de regras de negócio é realizada basicamente através dos famosos web services, pois são eles que determinam os padrões e acabam especificando essa infraestrutura de TI que foi citada. A vantagem de termos essa estrutura em uma organização é justamente a flexibilidade que os web services trazem. Para isso ficar mais claro, vamos utilizar o seguinte exemplo:

Imagine que você tem uma infinidade de softwares que devem ser capazes de fazer a inserção de um novo cliente na base de dados de sua empresa. Cada um destes softwares é mantido por um prestador de serviços diferente e, pior ainda, cada um destes softwares foi escrito em uma linguagem diferente. Para piorar mais um pouquinho: sua organização tem uma série de validações que precisam ser realizadas antes de permitir a inserção desse novo cliente, sendo mandatório que todos os softwares realizem essas validações da maneira correta.

Para muitas empresas este é um cenário caótico. São sistemas que utilizam linguagens diferentes e desenvolvidos por pessoas diferentes fazendo a interação direta com o negócio da sua organização, além de existirem regras de validação a serem seguidas para garantir o sucesso e efetividade do negócio.

Sendo assim, como lidar com um cenário tão divergente?

Esse é exatamente o cenário perfeito para a utilização da arquitetura SOA, pois temos ativos de negócio envolvidos em um ambiente completamente heterogêneo. E todo mundo precisa conversar entre si.

Pensando em uma arquitetura voltada a serviços, nós poderíamos resolver isso de maneira muito fácil. Poderíamos criar um web service chamado “IncluirCliente”. Este web service será responsável por fazer todas as validações do cliente antes de o inserir na base de dados. Assim, caberia aos demais softwares simplesmente consumir esse serviço da maneira adequada.

Agora as coisas ficaram muito mais simples. Conseguimos centralizar o nosso ativo de negócio (no caso, o cliente e a sua inserção), garantindo que o fluxo de negócio dele sempre ocorra da maneira correta (temos certeza que o cliente sempre vai ser validado da maneira correta).

Também garantimos reutilização com esse web service: para qualquer software que necessite incluir clientes na base da organização, bastará a utilização deste web service. Sendo assim, facilitamos a relação entre os sistemas distintos da organização, pois qualquer linguagem é capaz de consumir um web service, o que coloca um pouco de ordem neste nosso ambiente completamente heterogêneo.

Por fim, garantimos extensibilidade pois, se quisermos um dia alterar a regra de negócio de validação do cliente ou mesmo acrescentar novas etapas do negócio, basta modificarmos o web service. Todos os softwares que consomem este web service serão automaticamente “atualizados”. Esta é a arquitetura SOA!

Mas então é só eu criar web services para que eu tenha uma arquitetura SOA?

Não, não basta criarmos e expormos web services para dizer que estamos utilizando uma arquitetura orientada a serviços. Perceba que temos um problema que vai muito além da questão técnica de criar ou não um web service em uma determinada linguagem. Temos a barreira do negócio. O modelo de negócio da organização fica exposto nos serviços quando estamos utilizando SOA. Por isso, é essencial uma completa integração entre o setor de negócios e o setor de tecnologia. Essa é outra intenção da utilização da arquitetura SOA: implementar tecnologia de ponta para o negócio da empresa, tornando-a mais competitiva no mercado.

Temos ainda várias outras questões envolvidas nesse processo: como fica a segurança dos dados trafegados, já que serviços SOA certamente receberão dados sensíveis para o negócio? Como saber o que pode ser exposto e o que não pode ser exposto? Como conseguir ter governança de TI de verdade em um ambiente orientado a serviços?

Nos próximos posts dessa série, iremos discutir mais sobre estes pontos. Até lá!

Deixe seu comentário

Graduada em Gestão da Tecnologia da Informação pela FATEC Guaratinguetá.

JUNTE-SE A MAIS DE 150.000 PROGRAMADORES